segunda-feira, 4 de junho de 2012

A uma semana de um "até já"

Quase seis meses depois de chegar ao Brasil, vou deixá-lo por uns tempos...
O visto está a terminar e está na hora de fazer uma visitinha ao meu Portugal e à minha gente. 
Estou feliz! A ideia de viver o verão de dois países agrada-me, por isso não vou contrariada. As saudades da família, amigos e lugares também me puxam para o outro lado do Atlântico.

E chego mesmo a tempo de festejar o Santo António! Aterro em Lisboa dia 13, na hora certa para ir aos bailaricos. Haverá coisa melhor?!
Até já




segunda-feira, 7 de maio de 2012

domingo, 29 de abril de 2012

Uma experiência "agridoce"

Há quatro meses no Brasil, o balanço que faço desta experiência é "agridoce".
Bem, isto não quer dizer que seja má, pelo contrário, tem sido óptima e um ensinamento para a vida.
Quando uso este termo, quero com ele dizer que a minha vida aqui tem sido vivida de uma forma distinta. Tudo é sentido de uma forma diferente, tranquila, mas, às vezes, de uma forma exagerada. O que é bom parece óptimo e o que é mau parece péssimo.
Se por um lado tenho uma vida que muitos desejavam ter actualmente, por outro tem dias em que me sinto sozinha num lugar em que nada é meu: nem casa, nem família, nem amigos, nem os lugares...
Pois é, que falta fazem estas coisas nos momentos menos bons. Que saudades das "fugas fáceis" aos problemas que resolviam as coisas numa questão de horas. Assim, sem elas por perto, as coisas demoram mais a ser digeridas e o tempo (que é muito) só alimenta pensamentos que devemos ignorar...
Mas simplificando a coisa, "agri" por sentir na pele que estou longe de tudo e de todos e "doce" por estar a viver a minha vida em pleno e ter tempo para me conhecer melhor!


quinta-feira, 5 de abril de 2012

Um pequeno desafio


A minha Carochinha, uma das pessoas de quem sinto uma imensa saudade, lançou-me um desafio há uns dias e eu, no meio de tanto "trabalho", não cheguei a responder. Mas hoje estou numa de enfrentar "o touro pelos cornos"...

Então aqui ficam os dados do desafio, as minhas respostas às perguntas que me fez e os factos sobre mim:

O desafio consiste em:
1. escrever 11 factos aleatórios sobre nós próprios;
2. responder às perguntas que foram propostas e criar 11 novas perguntas para as próximas
pessoas.
3. escolher as próximas pessoas e colocar o link
4. ir à página delas dizer que lhes foi proposto este desafio
5. nada de taggs de volta
6. postar o conjunto de informações relativamente ao que o desafio consiste.

11 factos aleatórios sobre mim:

1. Só estou bem onde não estou 
2. Sonho tanto a dormir como acordada 
3. Sou apaixonada pelo meu irmão
4. Adoraria viajar a vida toda
5. Já quis ter cinco filhos, hoje acho difícil ter um
6. Adoro praia
7. Quanto meto uma coisa na cabeça dificilmente perco o foco
8. Preciso sentir ansiedade para me sentir mais feliz (nem que seja a chegada de alguém)
9. Gosto do Brasil onde hoje, finalmente, moro 
10. Adoro música e até hoje sofro pelo roubo do meu ipod
11. Adoro rir até me doer a barriga


As respostas às perguntas da Carochinha:
1. Se fosses um animal que animal serias? um Colibri 
2. Se pudesses fugir durante uma semana para estar sozinha para onde ias? Índia
3. Qual o melhor presente que já te ofereceram? a Liberdade
4. Tens algum animal de estimação? O fantástico cão Tobias
5. Qual é a melhor anedota de sempre? O Governo português
6. Que música melhor te define? Estou além, do António Variações
7. Um sonho maluco que já tiveste. Ter cinco filhos
8. Se pudesses ser uma personagem de ficção (BD, filmes, séries, livros, etc.) quem gostavas de ser? Bart Simpson
9. A 1ª coisa que fazes de manhã: Penso: onde estou?
10. Se te quiserem fazer rir têm de... ser criativos ou trazerem-me crianças
11. Se te quiserem fazer chorar têm de... ser emocionantes ou cruéis


As 11 perguntas para a vocês:
1. O que te faz mais feliz? 
2. Qual o teu filme favorito? 
3. Qual a tua melhor viagem?
4. O que querias ser quando eras criança? 
5. Qual o teu maior sonho?
6. Qual o teu maior desafio?
7. Quem é que gostarias muito de conhecer?
8. O que achas que tens mesmo que fazer antes de morrer?
9. O que não dispensas nem por nada? 
10. Qual o país onde gostarias de morar um dia?
11. Tens medo de...

"Saudade", do latim "solitas, solitatis" (solidão), na forma arcaica de "soedade, soidade e suidade" e sob influência de "saúde" e "saudar"

Pai, Mãe, Mano, avós, Tobias, Rita, Carolina, Catarina, Pedro, Gabriela, Rodrigo, Patrícia, Sandra, Carla, Paula, Diogo, Paulo, Miguel, Vanda, Nuno, Joana, Filipa, Ana, Vasco, Rita, João, Mónica, Olga, Vítor, Carolina, Leonor, Alexandre, Luís, Manuela, Célia, Adelaide, Gabriel, Sandra, Bruno, Pedro, Tita, Helia, Milú

Saudades destes e outros mais...  

domingo, 25 de março de 2012

De mais e a menos...

Nós bebemos demais, fumamos demais, gastamos sem critérios, conduzimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e rezamos raramente. 

Multiplicamos os nossos bens, mas reduzimos os nossos valores.

Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos frequentemente. 

Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos. Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. 

Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.

Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores. Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não o nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planeamos mais, mas realizamos menos.

Aprendemos a nos apressar e não, a esperar. 

Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas comunicamos menos. Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.

Esta é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados. Esta é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas "mágicas". Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na despensa. Uma era que leva esta carta a ti, e uma era que te permite dividir esta reflexão ou simplesmente clicar 'delete'.

Lembra-te de passar tempo com as pessoas que amas...elas não estarão por aqui para sempre. Lembra-te dar um abraço carinhoso a um amigo, pois não te custa um cêntimo sequer. Lembra-te de dizer "eu amo-te" à tua companheira(o) e às pessoas que amas, mas, em primeiro lugar, ama... Ama muito. 

Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm de lá de dentro. O segredo da vida não é ter tudo que queres, mas AMAR tudo que tens! 

Por isso, valoriza o que tens e as pessoas que estão ao teu lado.

George Carlin

Pedra do Baú, São Bento do Sapucaí

terça-feira, 13 de março de 2012

De volta ao paraíso

Depois de cerca de um mês e meio em Camburi/Barra do Una onde já pouco havia para ver (pelo menos a pé, já que não tinha carro e dependia das minhas pernas, ônibus e caronas), voltei para Ubatuba.

Terra maravilhosa, acolhedora e onde acho que já me sinto em casa... Aqui tudo é mais fácil e há sempre algo para fazer, nem que seja contemplar a natureza que me rodeia (o que não é nada mau, garanto-vos).

Ubatuba não me trouxe apenas a tranquilidade que quase perdi por aqueles lados, mas também alguns projectos interessantes a nível profissional. Voltar ao Ballet dando aulas a crianças, estabelecer parceria com uma rapariga que tem uma agência de comunicação na cidade vizinha e colaborar com um jornal do Litoral são alguns dos projectos que me caíram nas mãos e que espero conseguir agarrar.

De volta ao paraíso, sinto-me ainda com mais energia para criar e, acima de tudo, fazer algo que me preencha a alma...


sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

É Carnaval

Alegria, euforia, animação e, sobretudo, hormonas aos saltos.
Xiça... este povo já é quente por natureza, mas no Carnaval anda tudo maluco. A sensação que tenho é que andam o ano todo à espera desta semana para "soltar (ainda mais) a franga".
E o pior é que enquanto esta semana não terminar, o povo não pensa em mais nada e o país parece estar parado desde Dezembro. Deve ser por isso que desde que aqui cheguei ainda não tive grandes novidades quanto aos meus contactos profissionais... (espero!)
Na verdade, para mim o ponto alto desta festa foi no início do mês quando, no Rio, assisti ao ensaio da escola de samba S.Clemente. É, de facto, uma sensação incrível que arrepia até à alma... Quero acreditar que aquilo sim é Carnaval!
Mas a grande festa de mais de cinco dias de loucura começa hoje e eu não a vou deixar passar ao lado, claro está.
Bom Carnaval!


São Clemente, Rio de Janeiro


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

A enriquecer o meu vocabulário - parte I

básico:
ônibus = autocarro
carona = boleia
banheiro = casa de banho
bumbum = rabo/rabiosque 
pista = estrada
zuar = gozar 
zuado = mau, estragado
vaso = sanita
descarga = autoclismo 

um pouco mais além:
bagulho = coisas (na verdade dá para quase tudo)
japa = japonês 
breja = cerveja/jola
fazer o nº 2 = fazer cocó


quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Roubaram-me o namorado

Estou zangada com o Brasil... Amo-o de paixão, mas estou magoada.
Não precisava de me mostrar já a sua face negra... cheguei há tão pouco tempo. Roubar-me o meu mais fiel companheiro foi sacanagem!
Tanta coisa para levar naquele dia lá em casa e foram logo escolher o meu ipod.
A única conclusão a que chego é que o ladrãozeco tinha bom gosto musical...

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

É maravilhosa sim...

Mais de quatro anos depois da minha decisão de ir morar na cidade maravilhosa, piso pela primeira vez o solo abençoado do Rio de Janeiro... As expectativas eram muitas, mas, ao mesmo tempo, a ansiedade era bem controlada. Talvez influenciada pela paz que vivo neste país, a minha primeira visita ao Rio de Janeiro foi tranquila. 
Viajámos desde Ubatuba (estado de São Paulo) até ao Rio de carro por uma marginal que dispensa comentários - Paraty e Angra dos Reis foram alguns dos locais de passagem.
O Rio de Janeiro é realmente maravilhoso e os seus encantos são mais de mil. Inesperadamente, encontrei nele uma fusão de várias cidades, facto que faz deste pedaço de terra algo muito especial.
A visita foi curta e deixou água na boca. Três dias não chegam para sentir a energia do Rio e a aura dos cariocas, mas serve para nos apaixonarmos quase à primeira vista. Entre as paisagens que não devem nada aos postais, a vida cultural e o samba arrepiante, a cidade maravilhosa canta e encanta...







sábado, 28 de janeiro de 2012

Tá com vontade de fazer xixi?

Adoro a campanha de consciencialização para o Carnaval que está a passar no Brasil neste momento. 

Ao ritmo do samba, naturalmente, a Globo criou um vídeo que tem como objectivo sensibilizar o público para questões de cidadania, como por exemplo fazer xixi na rua. Em apenas cerca de 30 segundos, artistas conhecidos do país (incluindo o Sr. do "ai se eu te pego) cantam a "Marcha do Xixi", apelando aos mijões para fazerem as coisas no lugar certo. 

Acho que em Portugal podiam fazer algo do género, já que há por aí muito mijão a empestar as ruas (eu que o diga, pois em Alcântara vi uns quantos a aliviar a bexiga junto ao parque de estacionamento do Mini Palácio).  

Aqui está o link do vídeo:

Letra da música:
Tá com vontade de fazer xixi?
Não faz aqui
Não faz aqui.
Tá com vontade de fazer xixi?
Não faz aqui
Não faz aqui.
Nesse bloco a gente vê
É cheiroso, é maneiro
Tô falando pra você
Lugar de mijão é no banheiro

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Hoje também tem disto por aqui...


Na Barra do Una não existem táxis!

Eu já vi muita coisa. Posso dizer que conheço alguns países e já constatei costumes e manias bem estranhas. O Brasil não podia ser uma excepção e realmente aqui há gente para tudo.

Neste momento encontro-me na Barra do Una, um lugarzinho super simpático no Litoral Norte de São Paulo. De favor em casa de um amigo, sem carro e a uma distância substancial do local de trabalho, o autocarro - ônibus - é o nosso melhor (ou pior) amigo. A casa está situada num lugar chamado Sertão do Cacau e o caminho desde a estrada onde é a paragem até lá é de terra batida (cerca de 1.5km). Escusado será dizer que eu, na minha versão hippie, faço este caminho quase todos os dias a pé às tantas da noite, pois não há autocarro a essa hora nem as conhecidas boleias diurnas.

As boleias, ou melhor, as caronas... Uma coisa tão comum também em Portugal, mas com uma pequena diferença. Aqui não há táxis, ou pelo menos eu nunca os vi. Aqui há gente com o seu carrito próprio que faz vezes sem conta a estrada que liga as praias, parando nos "pontos de ônibus" para perguntar às pessoas se vão para Juquey, Barra do Sahy, Bertioga, Barra do Una ou outro vilarejo naquele sentido. 

A primeira vez que vi tal abordagem pensei "bem, estes brasileiros são de facto um povo mesmo simpático". É verdade, são muito simpáticos, mas também são danados para o negócio. Estes actos não são pura simpatia mas sim um trabalho desta gente (ou biscate, sei lá) que consiste em apanhar as pessoas que esperam desesperadamente pelo autocarro e levá-las até à paragem que desejam, cobrando-lhes um valor um pouco mais alto, compensado pela comodidade e rapidez de um carro de 5 lugares.

Claro que eu acabei por aderir à moda e, para além das boleias desde a casa no Sertão até à estrada (estas apenas por simpatia, gratuitas), já paguei uns trocos para me deixarem na Barra do Una sem stresses. A experiência chega a ser normal como se de um táxi se tratasse. A única diferença é que eles vão parando em TODAS as paragens para incluir mais uma pessoa no trajecto e, claro, fazer mais um dinheirinho.

Mas a viagem de hoje foi especialmente engraçada. Chove muitíssimo e em casa do A. não havia guarda-chuvas. A coisa mais semelhante, e que acabou por ser a nossa salvação, foi um guada-sol do São Paulo Futebol Clube. Uma coisa bem cómica para quem é corintiano fanático! Fomos até à paragem de autocarro existente no Sertão, na expectativa de que o maldito transporte público passasse em breve. Antes que isso acontecesse, apareceu um camião que nos deu boleia até à estrada para esperarmos o autocarro em direcção à Barra do Una. Eis que aparece um carro que, como é habitual, abranda e pergunta se vamos para Juquey. "Não, vamos para a Barra do Una" (que é um pouco mais à frente), respondemos. Quando se preparavam para seguir dissemos "E se dermos mais um dinheirinho não nos levam até lá?". Dito e feito. Entrámos no carro do casal mais cómico que encontrei desde que aqui cheguei. Uma gordinha loirinha de voz simpática e um magrela moreno que conduzia o carro. Um negócio a dois, portanto!

O carro era dela, mas ele conduzia. Ela fazia o negócio, mas ele metia água na fervura. Uma conversa que parecia sair de uma novela (brasileira), que deu para perceber que eram de S.Paulo mas vendiam bijutaria e roupas no Litoral e brincavam aos táxis para juntar mais uns reais. Na casa dos 40, pelos vistos eram apenas namorados (há 20 anos), mas ela parecia depender ainda dos pais. Estava em casa da mãe e dizia não poder depender mais do pai...Um discurso tão estranho de um casal maduro que mais parecia uma dupla mafiosa.
Eu não consegui controlar as gargalhadas na maior parte do tempo e lamentei não ter uma câmara de filmar para fazer uma reportagem bem ao estilo "Fantástico".

imagem exemplo da estrada no Litoral Norte de S.Paulo

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Um mês de mais "dolce fare niente"

Segundo o Guia do Litoral:
"uma das mais belas paisagens do Litoral Norte, Barra do Una reúne as delícias da praia e da montanha. O Rio Una desce a serra e deságua no mar pelo canto norte da praia. 
Navegável, sedia belíssimos hotéis e marinas, proporcionando inúmeras opções de lazer aos turistas, como passeios de lancha pelas ilhas da região: Montão de Trigo, Couves, Gatos, As Ilhas e Alcatrazes. Locais de beleza paradisíaca, ótimos para a prática de mergulho. 
Subida pelo Rio Una com botes e caiaques e caminhadas pelas trilhas ecológicas da Mata Atlântica são mais algumas de suas atrações. 
No Iate Club de Barra do Una concentra-se o maior número de barcos da Costa Sul de São Sebastião, com ótima infraestrutura, inclusive para esportes náuticos. 
Praia de águas cristalinas, areias claras e soltas. As ondas são mais fortes ao longo da praia e calmas no encontro com o Rio Una."
É por aqui que vou estar no próximo mês. Parece bom, não parece? 






sábado, 14 de janeiro de 2012

Deitar a preguiça para trás das costas

Já devidamente instalada em Ubatuba (acho eu), começo a tentar deitar a preguiça no lixo. Aquela preguiça que trouxe de Portugal resultante de meses de trabalho rotineiro e do Inverno que só dá vontade de ficar no quentinho de casa.

2012 tem que ser um ano de renovação a vários níveis e a condição física não pode ser excepção. Este ano decidi voltar ao Yoga, a aprender surf e a caminhar mais. O yoga aguarda, a prancha de surf já está prometida e as caminhadas estão bem perto… nas cachoeiras.

No meio destes planos aparece uma outra modalidade: o Stand Up Surf. Uma prancha que parece ter mais de duas vezes os meu tamanho acompanhada de um remo. Algo que não contava experimentar e gostar tanto. Com um sol escaldante e um mar como o de Ubatuba, em que a temperatura da água é um convite aos deportos marítimos, não foi muito difícil experimentar. Numa experiência estimulante e, muito bem acompanhada, lá fui remar até à ilha mais perto da praia da Maranduba.

Acho que não me saí nada mal…

eu e a malta de Santos

eu e o Gu 

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

No paraíso... com o 2º pé no Rio de Janeiro

Trindade é o paraíso!

Portugueses que me lêem: sabem aquelas imagens que passam (ou passavam) nas novelas brasileiras que diziam ser de Angra dos Reis? Pois bem, não sei se Angra é assim, mas Trindade é o paraíso que nos chega a Portugal através das novelas...  MARAVILHOSO

Baías cheias de vegetação e um mar que parece uma piscina são o cenário de uma vila meio hippie super charmosa.

Só vendo mesmo!





domingo, 8 de janeiro de 2012

1º pé no Rio de Janeiro

Pa-pa-pa-ra-ty!
Este foi o meu primeiro contacto com o Rio de Janeiro (Estado).

Depois de uma viagem longa (a distância não é grande mas a estrada não é boa), lá chegámos ao Paraty 33 onde o namorado da Caru ia actuar.

Paraty pareceu-me bem bonito. Embora a visita tenha sido nocturna e não tenha dado para conhecer profundamente, encantou-me ver a influência portuguesa naquele pequeno município do litoral do estado do Rio de Janeiro. A calçada portuguesa tem forte concorrência naquele pavimento das ruas estreitas que não convidam ao uso de saltos altos pelas meninas vaidosas que passeiam a sua beleza pelo lugar da moda. Lojinhas e mais lojinhas alternam com bares que bem podiam ser em Portugal.

Um lugar a revisitar em breve... mas durante o dia!

a foto não é minha, é do google. Esqueci-me da máquina

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Feliz ano novo!

Casa cheia, cerveja, caipirinha, vestido, areia, fogo-de-artifício, mar, sete ondas, alegria…
Foi assim a minha passagem para o ano 2012!




segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Sol, praia, surf, caipirinhas e cerveja

Este é o resumo óbvio e espontâneo que faço do Brasil que encontrei a 30 de Dezembro de 2011, dia em que pus os pés em terras de Vera Cruz.

País encantado de gente quente e hospitaleira, o Brasil começa aos poucos a conquistar-me e a fazer com que me sinta em casa. Fácil, fácil para quem desejava tanto vir e passar uns tempos a escutar português com açúcar, bem doce.

Entre praias dignas de postal e cascatas que parecem sair de um documentário da National Geografic, vou deambulando e conhecendo lentamente aquele que vai ser o meu lar. Ubatuba é a primeira paragem e não poderia ser melhor: sol, praia, surf e, claro, caipirinhas e cerveja, muita cerveja.